Linguagem

Descomplicando o Seguro Ver mais

O universo dos seguros de forma acessível

Seguro Auto X Proteção Veicular

Foto: Pixabay
Antes de falar do Seguro de Automóvel no Brasil, vale lembrar um pouco da História desse bem tão desejado pelos brasileiros. O primeiro protótipo do que hoje chamamos de carro, segundo registros, foi visto na Bahia em 1871, era um veículo movido a vapor para transporte de passageiros.

Em 1891, o inventor Alberto Santos Dumont adquire seu veículo para uso pessoal, vindo da Europa, desembarcado no Porto de Santos despertando assim os olhares curiosos da elite paulistana. Em 1987, José de Patrocínio, ao emprestar sua engenhoca a vapor ao Escritor e Jornalista Olavo Bilac, deu origem ao que seria o primeiro registro de acidente automobilístico, uma colisão em uma arvore no Alto da Boa Vista no Rio de Janeiro. A partir daí, estava cravada não apenas a paixão pela máquina, como a necessidade de proteger a si e a outras pessoas, dos riscos desse novo sonho de consumo.

O Brasil foi um dos pioneiros da indústria automobilística mundial. Em 1925, já se fabricava em São Paulo o Ford T e o Chevrolet “Cabeça de Cavalo”. Na década de 50, começou a regulamentar a Fabricação de Carros, Tratores e Caminhões passando a se vender em larga escala.

O Seguro de Automóvel é no Brasil hoje, como risco isolado, o maior ramo entre todos regulados no Mercado. Com uma arrecadação de aproximadamente 20 bilhões de reais, com uma sinistralidade “colisões, abalroamento, roubos e incêndio”, na monta de 13 bilhões em indenizações, sendo dessa forma considerado um seguro de grande volatilidade.

Analisando profundamente esses números, faz-se importante comentar a impossibilidade de ser 100% preciso em evitar ou determinar onde está a maior parcela dos prejuízos gerados, se fica no roubo para desmanches ou mesmo nas rotineiras colisões nos centros urbanos, cada vez com mais veículos e menos espaço pra circulação. Sem dúvida é um desafio gigante para as Empresas Seguradoras, criarem a matemática do preço mais justo para quem consome e arrecadar o suficiente pra pagar os sinistros e todas outras despesas envolvidas num processo.

Eis o motivo, pelo qual os órgãos reguladores do mercado são tão exigentes e severos quando a criação de reservas e analise da saúde financeira das seguradoras, afim de que jamais falte capital para indenizar aos segurados compradores desse produto. Gerando assim a primeira reflexão no momento da aquisição de um Seguro ou uma Proteção Veicular, ambos possuem o mesmo princípio que é a perspectiva de criar um fundo de mutualidade de acordo com suas análises e se o fortuito acontecer ter como reparar o prejuízo. O Detalhe é que a Proteção Veicular não existe ainda no Brasil quem regule, quem fiscalize ou pelo menos obrigue uma composição mínima de reserva pra que não falte capital em possíveis indenizações.

Estamos falando então de duas operações com o mesmo fim, porém com os meios diferentes. Fazendo entender que a Seguradora não tem escolha, irá reparar o dano com suas reservas ora controladas na unha pelo Órgão Regulador, SUSEP. O segundo também, desde que tenha em caixa numerários suficientes para isso, senão: o consumidor, associado, ou alguma outra denominação, “NUNCA SEGURADO”, pois a palavra deriva do possuidor de “SEGURO”, terá que ir pro fim da fila e um dia talvez receber pelo prejuízo absolvido.

Logico que num momento de crise como estamos vivendo temos que criar critérios de prioridades e muitas vezes o seguro pode ficar caro pro bolso do consumidor. Por isso mesmo o mercado oferece vários tipos de produtos de risco bem definidos podendo baratear o custo. Existe Seguro Total que dá amparo a todos os danos possíveis ao automóvel, mas é possivel contratar Danos apenas a Terceiros, ou até mesmo seguro só pra Roubo ou Furto Total do veículo. Eles podem ser contratados em poucas parcelas ou até mesmo de pagamento mensal. O que importa no final é a certeza do recebimento no momento do risco acontecido.

Talvez num momento futuro, com uma regulação definida quanto a reservas e fiscalização da devida aplicação dos recursos arrecadados, a Proteção Veicular venha a ser uma boa saída para economizar e entregar o bem “Automóvel” para ter a garantia de cobertura. Porém, neste momento o que vai dar clareza na saciedade da Previdência, e Incerteza diante dos riscos, sem dúvida: É O SEGURO.


Autoria
  • Twitter
  • Email

Adjamir Pontes

Adjamir Pontes

Adjamir Pontes é especialista em Seguros, atuando no mercado desde 1991. Trabalhou na BANORTE SEGURADORA, TREVO SEGURADORA, UNIBANCO AIG SEGUROS, atualmente CEO da GARANTIA SEGUROS na PB e RN, Professor da ESCOLA NACIONAL DE SEGUROS e Criador de Conteúdo @descomplicando.seguros