Linguagem
Ewerton Cipriniano

“Buscaremos abrir novos caminhos para impulsionar o trabalho do PB CVB em CG, além de unir e movimentar o interior do Estado com parcerias de fomento”

Novo presidente do Paraíba Convention & Visitors Bureau destaca seus projetos e desafios frente ao órgão

Foto: Paraíba Total
Promover a cidade de Campina Grande e região como destino turístico e de lazer, apoiando a realização de eventos, bem como a captação de novos investimentos, que possam trazer recursos e desenvolvimento socioeconômico e cultural. Esse tem sido o papel principal do Paraíba Convention & Visitors Bureau (PB CVB), uma associação sem fins lucrativos, criada desde 2003, que congrega empresas e entidades ligadas ao turismo, buscando ainda ampliar o volume de negócios e o mercado de consumo na cidade, por meio das atividades turísticas, apoiando a melhoria dos serviços e atendimento aos visitantes.

Desde o último dia 01 de julho, o PB CVB, conta com uma nova diretoria, que trabalha na captação, geração e incremento de eventos, além de realizar projetos e capacitações que visam melhorar a qualidade no atendimento prestado aos visitantes de negócios, lazer e turismo.

E para saber mais sobre os novos projetos e desafios do órgão a curto, médio e longo prazo, o Paraíba Total conversou com exclusividade com o nome presidente Ewerton Cipriniano, que promete, durante o biênio 2017/2018, impulsionar cada vez mais o trabalho do Convention Vistors Bureau Campina Grande, com o apoio de outros órgãos e empresas como o Sebrae, Pbtur, Abrajet Nacional, Prefeitura Municipal de Campina Grande, Ministério do Turismo, Garden Hotel e Autocar, além dos 78 empresários que o elegeram ao cargo de presidente.

“Buscaremos abrir novos caminhos para impulsionar o trabalho do PB CVB em Campina Grande, além de unir e movimentar nosso interior do Estado com novas parcerias de fomento”, disse Ewerton que é administrador de Empresas, mestre em Engenharia de Produção e já atuava junto ao PB CVB como conselheiro fiscal.

Confira os trechos da conversa com o novo dirigente:

De que forma o senhor espera contribuir com o trabalho do Paraíba Convention & Visitors Bureau e como se deu a sua escolha para esse cargo? 

Na realidade eu já trabalho nessa cadeia produtiva há 22 anos, então, mesmo ainda sendo novo, com 32 anos de idade, desde os meus 14 anos, eu venho atuando dentro dessa cadeia produtiva de negócios no Centro de Convenções de Campina Grande, realizando congressos, ajudando e coordenando junto com as organizadoras a promoverem seus eventos científicos e de outras naturezas. E foi assim que vislumbraram, ou seja, eles decidiram, não foi uma escolha minha, mas sim dos próprios associados de que eu me candidatasse ao cargo de presidente, ao qual eu já colaborava como conselheiro fiscal.

Qual a sua formação e experiências nesse segmento? 

Sou formado em Administração de Empresas, tenho mestrado em Engenharia de Produção e tenho vários cursos pela Fundação Getúlio Vagas, como Recursos Humanos, Cadeia Logística. E além disso tenho vários outros cursos que fiz paralelos ao tempo da minha vida acadêmica, o que certamente me dará subsidio para somar com o trabalho que temos pela frente.

O que representa o PB CVB para vc? 

Bom, a paixão pelo PB CVB se deu desde quando eu comecei a participar direto nos eventos e assim fui vendo a sua grande importância. O Convention está em 115 países do mundo, é um órgão nacional e internacional, e por estarmos ligados aos demais, temos não só um elo, mas uma verdadeira parceria conjunta. E isso, foi cada vez mais me chamando atenção, pois a cadeia produtiva de eventos que eu já atuava gerava riquezas para Campina Grande, mas nós sentíamos dificuldades de chegar aos demais estados e regiões do País. E por meio do PB CVB tudo se expandiu e fluiu. E no contato com os outros estados, hoje os demais já nos norteiam e ajudam nas negociações para trazermos os eventos realizados em outros estados também para nossa Paraíba e nossa cidade.

Quais são hoje os principais desafios do PB CVB

Na verdade, nós temos hoje ainda vários desafios. Mas, o primeiro deles é construir a nossa sede, da qual nos já ganhamos o terreno, fizemos o projeto arquitetônico, estamos concluindo o projeto estrutural e hídrico, cujo seu custo total ficará em torno de R$ 600 mil. E sei que iremos iniciar, pois eu vim para abrir caminhos e não atrapalhar nada e nem ninguém, somando aos demais integrantes esforços para que as coisas fluam e que em um futuro bem próximo nós venhamos colher frutos do que nos plantamos.  Pois, consiste em dedicação e amor, pois nossa função não é remunerada, o que colhemos são os frutos do que plantamos. E todo esforço é válido, pois vemos e acreditamos nessa ferramenta de associativismo que também é o PB CVB.

Quantos associados tem o PB CVB e de que áreas são? 

Hoje nos temos 78 associados de 78 classes econômicas, que vão do pipoqueiro, ou seja, do pequeno empresário até às grandes indústrias.

Diante de sua experiência, Campina Grande tem hoje mais eventos intuitivos ou profissionais? 

Realmente os nossos eventos são mais profissionais. E o Sebrae tem sido um grande parceiro nessa logística de treinamento, de fortalecimento e consolidação dessa cadeia produtiva de eventos na nossa cidade e inclusive, porque as pessoas também estão buscando se aperfeiçoar e se qualificar mais. Hoje temos profissionais que se destacam inclusive fora de Campina Grande e de nossa região.

Na sua ótica qual é hoje o sentimento, a qualidade, o diferencial que tem Campina Grande quando está sendo vendida lá fora? 

São vários os motivos e atrativos. Campina Grande é uma cidade bastante privilegiada em vários aspectos. Primeiro pela sua localização geográfica, já que faz uma ligação direta com o Sertão, Cariri, Brejo, está próxima de João pessoa e de outras capitais vizinhas, como Recife, Natal e de outras cidades pólos como Caruaru em Pernambuco. Outra coisa é o seu polo universitário forte, que atrai público. Temos ainda o terceiro maior Centro de Convenções da América Latina e com equipamentos para realizar simultaneamente vários eventos, e que mesmo sendo construído há cerca de 20 anos, ele possui uma arquitetura e funcionalidade moderna, pois trabalhamos com modulação de salas de ponta. Hoje em dia a hotelaria está comprando, mas nós fomos pioneiros nessa área. Além disso, temos outros atrativos como clima, seu povo receptivo, suas belezas culturais e tantos outros atrativos que o Brasil já conhece. Temos, um ebooking diversificado. E a nossa ideia agora é também unir e movimentar nosso interior com parcerias de fomento, como já realizamos em João Pessoa junto a PBtur, Abrajet, Abrasel, dentre outros.

Paraíba Total
Andréia Barros



Outras Entrevistas