Linguagem
Entrevista Marcela Fujiy

“Ainda temos muito trabalho a fazer, mas assim como toda jornada, tudo começa com um passo”

Co-fundadora da Be.labs fala sobre a premiação recebida pelo WEPs Brasil 2019 e novas metas da startup

Foto: divulgação
Diminuir a diferença entre os gêneros, apoiar mulheres empreendedoras no desenvolvimento e aceleração de novas ideias e negócios, é a proposta da Be.Labs, startup criada com mindset sueco e a primeira e única aceleradora de ideias e negócios liderados por mulheres no Brasil. Ela foi premiada no WEPs Brasil 2019 premiação promovida pela ONU Mulheres. A premiação reconhece empresas comprometidas com princípios de empoderamento das mulheres e igualdade de gênero. Marcela Fujiy, co-fundadora da Be.labs, representou a aceleradora no evento e contou sobre a premiação e os sentimentos da startup na entrevista que segue.

Como foi participar do evento?

Participar de um evento organizado pela ONU mulheres, União Europeia e Organização Internacional do Trabalho, foi algo que superou todas as nossas expectativas, porque nós só temos 18 meses, e, apenas, ser finalista do prémio já era algo muito significante. Além disso, participar de um evento como esse nos dá a possibilidade de fazer conexões com organizações importantes que estão trabalhando com esse propósito da igualdade de gênero, tão necessário para o país, foi um marco muito importante para nós.

O que vencer representa para a Be.labs e o que você considera ter sido determinante para esse resultado?

Nós realmente não esperávamos ser premiados este ano, mas, fomos como finalistas e, de fato, superamos nossas expectativas e ganhamos o prêmio. Isso para nós é um indicador de que estamos no caminho certo com esse propósito tão forte, de acelerar um futuro inclusivo, diverso e abundante por meio do empreendedorismo feminino. Acho que o mais determinante para esse resultado foi o nosso propósito, que é muito forte. E também porque nós trabalhamos muito durante esses 18 meses propagando o que acreditamos e não apenas os nossos produtos, como o Be.live e os programas In Company, mas também participando de muitos eventos abertos.

O que essa premiação representa para a Paraíba e quais os próximos passos da Be.labs?

Para a Paraíba, eu creio, que apresenta um marco muito importante, tendo em vista que entre as empresas que ganharam a maioria delas são multinacionais, e nenhuma representa o nordeste. Então se torna importante não só para a Paraíba, mas para o nordeste inteiro. Ainda temos muito trabalho a fazer, mas assim como toda jornada, tudo começa com um passo.

Entre os próximos passos está o trabalho pela mudança de categoria. Nosso prêmio foi bronze e queremos agora um prata ou ouro, no próximo ano. Além disso, é de nosso interesse contribuir para o WEPs, que fala do principio do empoderamento das mulheres nas empresas. O objetivo desse ano são 260 empresas no país todo e a meta do próximo ano são mil empresas. Queremos contribuir para que isso se realize, porque quanto mais empresas forem alcançadas por essa certificação, mais um ambiente com igualdade de gênero e mais amigável para as mulheres teremos.


Redação
Paraíba Total



Outras Entrevistas