Linguagem
Caito Maia

“Minha dica é: empreendedores, valorizem mais o ser humano, o seu time, olhem no olho dessas pessoas, vejam o que elas têm a falar”

Dono da maior marca de óculos do país dá dicas para empresários durante sobre ações durante a pandemia

Foto: divulgação
Dono da marca de óculos mais vendida do Brasil, Caito Maia é um nome-referência quando o assunto é empreendedorismo e criatividade. Ele é dono da Chilli Beans, marca de óculos com mais de 20 anos de lançamento que possui coleções inesquecíveis e exclusivas. Ele começou a trabalhar com óculos nos anos 90 e hoje possui lojas espalhadas em todo o país e no México, Estados Unidos, Colômbia, Peru, Tailândia e Portugal. O empresário já participou também, do programa Shark Tank Brasil, onde ficou conhecido como Shark, que significa tubarão, em Inglês. 

Em entrevista exclusiva para o Paraíba Total, o empresário conta os passos dados por ele e sua empresa durante a pandemia, dá dicas sobre como agir durante esse período e conta sobre medidas tomadas pela Chilli Beans. Além disso, o Caito destaca a importância de um posicionamento empático das empresas e um olhar estratégico e planejado para o retorno das atividades após o fim do isolamento social. Confira na íntegra:

Como tem sido a vida e os negócios na quarentena, para você?

Eu estabeleci uma rotina, onde todo dia eu acordo, medito, malho. Tenho participado de muitas reuniões, até às 22h, algumas lives, muitas entrevistas. Eu criei uma rotina, não paramos, o time está unido, já tomamos todas as medidas necessárias, fomos muito rápidos. Estou em contato constante com os franqueados. Mas não posso mentir em dizer que não estou com saudade da minha vida. Essa quarentena nos deixa com a sensação de um ano preso dentro de casa, é algo muito louco para nós e diferente para nós. Muita coisa já se criou e já foi feita, o que foi muito legal. Eu, como empreendedor, tive o momento do susto, onde travei tudo que precisava travar para salvar a minha empresa, e ela está salva. Agora eu estou na fase da criatividade, na fase da retomada. 

O que eu fiz, que foi muito legal, me ajudou muito e que eu dou como dica é: por mais que as autoridades não tenham entregue uma data de retorno, eu criei minha, e isso mudou minha vida. Eu estava perdido, porque não havia previsão de retorno, então, baseado em pesquisas e conversas eu escolhi um dia. Tudo ficou diferente meu trade, meu marketing, meus franqueados, meu conselho o grupo de varejo, todo mundo passou a se planejar para voltar. Foi essencial, porque encontramos um destino. Achamos um caminho para dispor minha energia e com ela de volta estamos nos preparando para voltar.

Como Shark, o tubarão do programa Shark Tank Brasil, que dica você daria para os empreendedores que estão assustados e perdidos devido a pandemia? 

O Shark me ensina muito, não me considero um tubarão, eu sou um empreendedor, um guerreiro, que aprende todo dia, toma porrada, que tem muito a crescer, se renovar... Eu tenho muito o interesse de ajudar os micro e pequenos empreendedores. 

Eu diria em primeiro lugar, que eles tenham cuidado com o foco, porque sabemos que a pandemia vai passar, e se você tinha um negócio físico que estava dando super certo, você não deve mudar 100% para o online. Cuidado. É obvio que agora na quarentena, você terá que exercitar isso e ter um canal digital. Se você não tinha, agora você é obrigado a ter. Mas, se eu negócio estava muito bem, tenha um pouco de paciência agora, calma, porque ele vai voltar, e continue no que você acreditava. Eu tenho visto muitas pessoas entrando em desespero e perdendo o foco. Não estou pedindo para ninguém ignorar o online, pelo contrário, o exercite mais do que nunca, mas siga o ritmo que você sempre acreditou e mantenha o foco.

Outra dica que eu daria agora, enquanto um cara que valoriza muito a marca, é um momento muito interessante para você criar ou fortalecê-la, porque as pessoas estão prestando muita atenção. Se você tiver uma mensagem bonita, uma mensagem que não é direcionada a produto ou vendas, você irá se destacar. Nesse momento que estamos vivendo, se enquanto marca te deixo uma mensagem boa, feliz e contente, quando o consumo voltar, o cliente vai querer conversar com você novamente. 

Muitos falam que a pandemia não é o momento de venda, é um momento de empatia. O que você pensa sobre isso?

Atualmente, vemos muitas marcas tomando atitudes tão erradas e outras atitudes bonitas. Nós na Chilli Beans, tomamos uma atitude, que eu não me arrependo e que foi muito legal, as pessoas estavam em uma situação tão delicada, assustadas e eu acho muito indelicado você mandar um desconto, ou promoção nessa hora, sabe? Eu não fiz isso. Movimentei uma campanha de doação de sangue, algo tão urgente e necessário.

Uma das coisas que mais vai fortalecer quando saímos dessa loucura é essa relação entre pessoas, ou delas com empresas. E essas precisarão ter mais cuidado, mais carinho com o consumidor, isso é muito importante e talvez a melhor mensagem que vamos ter.

As pesquisas indicam um possível aumento de 100% no número de desempregados, nesse cenário o que você sugere para o empreendedor, com relação a montagem do seu time.

Considero que é preciso ter um pouco de calma, para não nos assustarmos com números alarmistas, sabe aquela coisa de sofrer por antecedência? Vamos tentar ter pensamentos positivos nesse atual momento, para podermos exercitar e voltar entendendo como vai ser esse retorno. Essa crise que estamos vivendo é como casamento, “na alegria e na tristeza, na saúde e na doença”, agora é a hora da saúde e da doença, porque é nesse momento que estamos vendo quem são os patrões e quem são os funcionários. 

É óbvio que você fará uma seleção natural, de quem é o seu time quem são as pessoas que você pode contar e o mesmo serve para o funcionário, com relação ao patrão e a empresa. Tem muita gente que opta por sair do emprego por não concordar com decisões tomadas pelos patrões. É a hora da verdade. E depois da verdade, eu creio que, é preciso tomar um cuidado com as decisões, e o governo deu uma certa ajuda, para demitirmos o mínimo possível, para temos essa consciência como brasileiro, como patrão. Para vermos como conseguimos ajudar o outro, o que é um grande passo.

Outra coisa é, mais do que nunca a relação de funcionário e empresário vai valorizar mais a relação humana. Minha dica é: empreendedores, valorizem mais o ser humano, o seu time, olhe no olho dessas pessoas, veja o que elas têm a falar. Esse é um dos maiores aprendizados que estamos tendo agora, nessa loucura. É preciso para o espelho, olhar para a gente, repensar, para sairmos dessa pandemia pessoas melhores, e que empregadores e empresários usem desse benefício.

Para finalizarmos, você pode adiantar algo sobre o futuro da Chilli Beans, o que você tem pensado para sua marca, para o seu branding, suas novidades e lançamentos?

Eu vou contar uma mudança de estratégia, que é muito legal, que fizemos, nó começo da pandemia nós tínhamos 30 lojas abertas e alcançamos o número de 200 lojas de rua. Vou explicar o porquê, a categoria ótica foi considerada necessidade de saúde, devido aos óculos de grau, então abrimos mais lojas de rua. ´

O que estamos fazendo agora é uma estratégia de volta de mercado com uma campanha muito especial, com óculos e lente de grau. Porque as pessoas estão precisando muito de lente de grau, das nossas lojas temos vendido o dobro de grau, do que vendemos normalmente. Então estamos nos adaptando à volta de consumo do mercado, com uma campanha de grau, porque sabemos que as pessoas irão priorizar os gastos para a necessidade. Na nossa campanha, na compra de cada óculos de grau, um será doado para alguém que precise. Além de ser uma ajuda, eu vou está me adequando ao meu nicho. Essa é uma dica para os empresários, se adaptem a demanda! Vejam o que vocês têm em seus comércios que podem se encaixar com as necessidades do mercado.


Redação Paraíba Total



Outras Entrevistas