Linguagem
Arthur Lira

"Acredito que essa retomada estratégica e com foco na gestão será o grande legado que vai ficar para as empresas após essa pandemia”

Presidente da Abrasel Paraíba fala sobre os reflexos da pandemia do coronavirus nos bares e restaurantes

Foto: divulgação
Diante da pandemia do novo coronavirus o mundo foi apresentado para uma realidade desconhecida, o isolamento social. Dessa forma as empresas precisaram passa por uma série de adaptações visando seguir as medidas de segurança, atender aos clientes e manter a rotina organizacional. O setor de bares e restaurantes, por exemplo, precisou recorrer ao serviço de delivery e fechar as portar para o atendimento presencial, o que gerou grande impacto econômico para os negócios.

Em entrevista para o Paraíba Total, Arthur Lira, presidente da Abrasel Paraíba (Associação Brasileira de Bares e Restautantes) e proprietário do restaurante Estaleiro, falou sobre os impactos da pandemia para os negócios, as medidas tomadas pela Associação, as recomendações para os empresários e o que o setor pode esperar para o futuro. Confira na íntegra:

Como a Abrasel Paraíba tem se posicionado para minimizar os efeitos da Covid-19?

A Abrasel Paraíba, acima de tudo, é um braço de da Abrasel nacional. Eu trago esse ponto porque, com muito orgulho, a nível nacional temos nos posicionado de uma forma muito forte para evitar a solvência das empresas. Lutando junto às entidades e entes políticos para que as empresas estejam amparadas neste momento. Conversando e articulando também com os empresários para que eles não parem, não desistam. E fazendo um trabalho imenso junto ao Ministério da Economia para garantir a segurança do emprego dos colaboradores. Daí vieram as medidas provisórias que permitiram a redução dos salários e das jornadas de trabalho com a manutenção do emprego. Medidas que aliviaram a situação no primeiro momento. A questão da folha de pagamento e em seguida também o trabalho para conseguir linhas de crédito para o segmento.

A Abrasel Paraíba sempre reforçou todo esse apoio e nosso trabalho acontece junto ao governo estadual e aos municipais. Desde o primeiro momento, enviamos ofícios para os governos solicitando que estivéssemos juntos no comitê de crise e também solicitando e direcionando todas as nossas posições e nossas solicitações para, acima de tudo, manter esse diálogo de segmento. Também temos um trabalho junto às frentes parlamentares que trabalham o turismo e a retomada das atividades no setor, no qual os bares e restaurantes estão diretamente ligados.

Além disso, fizemos um trabalho interno desde os primeiros dias com os bares e restaurantes para implementação do E-book de medidas para os estabelecimentos manterem-se seguros para clientes e colaboradores, nessa linha de responsabilidade e segurança. Ou seja, a Abrasel Paraíba vem desempenhando um papel muito próximo de apoio às empresas e junto aos gestores para tentar alinhar a melhor retomada.

E já trago aqui uma novidade. Lançamos o nosso programa de reabertura responsável chamado "Com Saúde, Com Sabor", que está sendo apresentado aos governos do estado e dos municípios, onde tratamos todos os protocolos com nosso conteúdo de experiência para uma retomada responsável e progressiva, lógico que com base na saúde e bem estar das pessoas.

Qual a orientação da Abrasel/PB para esse momento?

A orientação da Abrasel Paraíba para os bares, restaurantes, lanchonetes, cafeterias, padarias e similares é que tudo que deve ser feito neste momento, acima de tudo, é ter calma. É preciso equilíbrio e uma análise interna desse momento de crise.

O empresário precisa criar uma comissão dentro da empresa, por duas, três, quatro pessoas, onde eles possam ver o conjunto e analisar todas as variáveis e pontos críticos do negócio. É preciso analisar, em especial, a gestão da empresa depois o conceito de vendas, análise fiscal, patrimonial, entre outras.

Sabemos que é um momento difícil, único na história da empresa, tudo muito delicado. Mas o desespero não pode acontecer. Então, precisamos encontrar esse equilíbrio da empresa em todas as áreas. Uma orientação do momento da Abrasel é de analisar essas situações, que vão ajudar as empresas a sair desta crise, que ainda não sabemos exatamente o tamanho ou quando vai terminar. Mas entendemos que a recuperação só virá com muito equilíbrio e entendimento total do negócio. Assim, vamos conseguir sim superar os obstáculos da melhor forma e também nos fortalecermos para a retomada.

É possível estimar em números o tamanho da crise do setor, provocado pelo Coronavírus em nosso estado?

Podemos ter alguns números aproximados do problema. Temos hoje um número de 20% dos empregos formais fechados a nível nacional. O mercado formal de bares e restaurantes empregava cerca de 6 milhões de pessoas diretamente no país. Assim, cerca de um milhão e duzentas mil pessoas perderam esses empregos. Então, o setor de alimentação da Paraíba não é diferente. Em João Pessoa já passamos de 1.500 empregos perdidos, em Campina Grande já estamos aí próximos aos mil. E a cada dia CNPJ's são cancelados e o efeito cascata atinge toda a cadeia. Se contarmos também os empresários informais e todas as empresas que atuam junto ao setor, na cadeia principal e secundária - prestadores de serviço e fornecedores - temos aí cerca de 600 mil pessoas em todo estado que atuam neste setor. Por exemplo, trabalhamos diretamente com 10 distribuidoras no nosso restaurante, sendo que oito delas já demitiram parte dos seus colaboradores, diminuindo a presença em várias regiões do estado.

Como você imagina a retomada do setor após a pandemia do Coronavírus?

Acredito que em breve estaremos dando início a essa retomada, que vai ser um pouco mais lenta, mas ela vai vir. Depende muito das medidas adotadas pelos governos federal, estaduais e municipais, onde é preciso haver um alinhamento. Os empresários vão estar prontos e ansiosos por esse momento. Acredito que vamos ter também um grande público que vai estar querendo consumir.

E aí reforço a importância de fazermos um trabalho no apoio à gestão dos estabelecimentos. O brasileiro ele tem um espírito empreendedor, ele é criativo, mas o que falta muito é a parte de gestão. Acredito que essa retomada estratégica e com foco na gestão será o grande legado que vai ficar para as empresas após essa pandemia. Além da operação, estarmos mais próximos e atentos à contabilidade, administração, pessoal, comunicação. Uma gestão enxuta e segura, que vai nos dar boas perspectivas para a retomada do setor.


Redação
Paraíba Total



Outras Entrevistas