Linguagem
Messina Palmeira

“Vejo com muita felicidade nossa atuação com relação aos objetivos da entidade, que é repercutir e divulgar o turismo paraibano”

No fim da segunda gestão, presidente da Abrajet PB fala sobre seus dois mandatos e os legados deixados para a entidade

Foto: divulgação
Considerado um dos setores mais importantes da economia, o turismo é também um dos que mais sofre com o descaso dos governantes. Cartões postais degradados, e com manutenção escarça, é um dos maiores problemas enfrentados pelas entidades responsáveis por divulgar e vender destinos turísticos. Durante a pandemia, com as viagens canceladas e o número de voos reduzidos drasticamente, hotéis fechados, passeios desmarcados ou remarcados, o mercado sofreu fortemente o impacto da crise do coronavirus, tendo suas atividades reduzidas a zero. Segundo pesquisas apenas em 2021 é possível que o turismo volte a acontecer normalmente e a crescer.

O Paraíba Total, entrevistou Messina Palmeira, jornalista, nascida na Paraíba e que trabalha divulgando o Turismo desde 1998, responsável pela coluna Sempre aos Domingos e presidenteda Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet Seccional Paraíba). Com exclusividade, a jornalista, falou sobre a gestão de seus dois mandatos, os principais desafios, legados e conquistas, além do papel dos jornalistas na entidade. Confira na íntegra:

Como a senhora avalia sua gestão de dois mandatos na Abrajet PB?

Eu avalio minha gestão com muita tranquilidade, foi um período de muita paz, em que houve, ao meu ver, muito interação entre todos os associados da Abrajet. Os 22 associados, que nos tonam uma das maiores seccionais do Brasil, estão sempre integrados e em harmonia, e repercutindo sempre o turismo de nosso estado. Quando me tornei presidente, substitui Rogério Almeida, que havia deixado uma ótima contribuição. Na minha gestão vejo com muita felicidade nossa atuação com relação aos objetivos da entidade, que é repercutir e divulgar o turismo paraibano.

Eu acredito que fiz a minha parte, não usei o cargo para me beneficiar de nada, inclusive durante os congressos em que eu fui sempre optei por arcar com minhas despesas, isso faz parte do meu perfil. Esse é um dos legados que eu deixo, de muita responsabilidade, transparência e honestidade. Nós fazemos parte de quatro conselhos e fóruns de turismo do estado, e eu sempre tive muito cuidado com a minha imagem, por respeito ao cargo e a entidade.

Com relação a nossas ações, nós conquistamos uma sede, algo que durante todos os anos da entidade em João Pessoa, nunca havia sido possível, algo que é muito importante. Ela fica dentro da API (Associação Paraibana de Imprensa), que também foi o lugar em que ela foi fundada. Esse, eu acredito que foi o nosso maior legado, que auxiliou, inclusive, para que pudéssemos tirar nossos documentos, que até em tão estava em nome de Wills Leal, o primeiro presidente. Também realizamos ações ambientais, como limpeza de praia e comemoramos o Dia Mundial do Turismo. E independente do lugar onde a entidade foi convidada para realizar algum evento, seja de turismo econômico ou social e ambiental, se desse visibilidade e credibilidade estivemos presentes. Além disso, também fizemos ações humanitárias e filantrópicas. Sempre em nosso natal reservamos uma verba para prestar assistência a alguma entidade que estivesse carente. Também inovei quando nos presenteamos com coisas nossas usadas, em bom estado promovendo sustentabilidade.

Como funciona a ação da entidade em busca de melhorias no turismo paraibano?

A nossa Abrajet, além de repercutir e divulgar o turismo paraibano, se preocupou também em cobrar dos governos municipal e estadual, além das demais entidades, ações que melhorem pontos estratégicos para que o turista chegue, se sinta em casa e reconheça que está na Paraíba. Um exemplo disso é a Ponta do Seixas, eu me desgastei muito pedindo para que seja dada atenção à ela, que é o ponto mais oriental das Américas, e importantíssimo para a nossa história. Notamos que outros pontos importantes espalhados pelo mundo recebem muito mais atenção do que o nosso.

Outro ponto que já nos desgastamos muito em atentar aos governos é o Mercado Central, porque é através dele que encontramos a identidade do povo, através da gastronomia, do artesanato, das pessoas... e acreditamos que ele poderia ser um grande equipamento turístico, é abandonado e relaxado.  E o Mirante do Atalaia de Forte Velho Parte que é a construção paraibana mais antiga, que continua de pé, e foi construída na zona estuaria do Rio Paraíba no município de Santa Rita, feita por holandeses e com uma história muito rica. Vemos muitos monumentos abandonados o que nos entristece muito

Como é a relação da Abrajet com os órgãos de turismo e quais os principais legados que a senhora vai deixar para a próxima gestão?

Quanto aos conselhos e órgãos estaduais de turismo dos quais fazemos parte, notamos que tem muita reunião e poucas decisões, muitas vezes saímos entusiasmados, mas a maioria das nossas reivindicações não saem do papel. O Turismo apesar de ser a maior indústria sem chaminé do mundo, é desprezado e colocado em segundo e terceiro plano, e ainda que existam organizações e secretarias, possuem poucos recursos precisando fazer parceria e pedindo ajuda, o que faz não funcionar muito.

E ainda que eu não tenha feito tanto, em uma entidade que não possui fins lucrativos e precisa se reporta a uma nacional. Um legado deixado por mim é o Troféu Valdemar Duarte, o oscar do turismo paraibano, junto a comenda Wills Leal, que foi instituída por mim, e se destina a personalidades e empresas que se destacam na área do turismo. Quando eu cheguei na Abrajet, o troféu era muito humilde, e eu sugeri criarmos uma identidade juntamente com Jurandir Maciel, responsável pela arte do nosso atual troféu.

Recentemente criamos nossa logo, e agora estamos fazendo lives semanais, entrevistando convidados, jornalistas e especialistas do turismo e apesar de termos pouco dinheiro, estamos colaborando com guias de turismo e o Aquário Paraíba, durante a pandemia

Como a senhora avalia o trabalho dos jornalistas de turismo no Brasil e na Paraíba?

Nós somos 22 associados, e nem todos divulgam o turismo do jeito que planejamos, mas os que de fato são dedicados em ajudar o turismo e os destinos, divulgam com vigor. Contamos com jornalistas muito conhecidos e respeitados no estado como Andreia Barros, Tereza Duarte, Nana Garcez, Abelardo Jurema, Fabiana Vidal, Rosa Aguiar e outros, que trabalham com vigor na divulgação do destino Paraíba. Nós temos site, Instagram e Facebook, e cada jornalista, em seu segmento conta com uma coluna em nosso portal.


Redação
Paraíba Total



Outras Entrevistas