Linguagem

A Mágica da Arrumação

Autor: Marie Kondo
Editora: Editora Sextante

Loucos-obcecados por arrumação podem se orgulhar. A moda é desapegar – pelo menos é o que prega a japonesa Marie Kondo, autora de A Mágica da Arrumação (Editor Sextante, 160 páginas), que se tornou sinônimo mundial de organização. O livro  vendeu mais de 2 milhões de cópias e já esteve durante semanas na lista de mais vendidos do New York Times e da Amazon. Nele, Marie Kondo ensina a arte japonesa de colocar ordem na casa e na vida das pessoas, fundamentado no sentimento do indivíduo por cada objeto que possui. Pergunte-se: Isso me faz feliz?. Se sim, guarde. Se não, descarte. E “isso” significa tudo – de roupas, presentes, cartões de aniversário até livros e objetivos de cozinha. Na teoria dela, estar rodeado apenas do que ama torna a gente mais feliz e motivado a criar o estilo de vida com que sempre sonhou. A autora defende que é possível ter uma vida mais simples, feliz e barata com um método de organização e desapego.

Os que acreditam que a  desordem estimula a criatividade não têm vez por aqui. Pode soar estranho e até um pouco radical, mas os que seguem o método detalhado em A Mágica da Arrumação garantem ser libertador  e que grande parte da bagunça em casa é composta por coisas dispensáveis.

Com texto curto, leve e com alguns relatos bem divertidos, A Mágica da Arrumação é útil para todos aqueles que têm dificuldades em desapegar. “Mantenha apenas as coisas que lhe falam ao coração e tome coragem para passar adiante todo o restante. Imagine viver em um ambiente que só contenha coisas que lhe dão alegria. Não é esse o estilo de vida dos seus sonhos?” – diz a autora.

A título de curiosidade, cinco conselhos práticos de Marie que estão no livro.

1) Guarde os objetos porque gosta deles e não “porque sim”.

2) O objetivo de um presente se cumpre na hora em que o recebemos. Por isso, não tenha medo de se desfazer de lembranças que recebeu e nunca usou.

3) Dê adeus às fotos antigas. A dica é separar somente aquelas que realmente te trazem alegria de estarem ali fisicamente.

4) Desfaça-se dos manuais de instrução, pois não servem pra nada.

5) Livros que você pretende ler um dia equivale a “livros que você nunca vai ler”. Leia-os agora ou livre-se deles.



Fonte: Andreia Barros