Linguagem
Constatação

Especialista mostra que maioria de quem mora sozinho não controla gastos

Para sair do vermelho é preciso diminuir gastos e mudar a forma de pensar o orçamento

Foto: Internet
Pessoas que moram sozinhas não fazem um controle efetivo de seus gastos (66%) e estão atualmente no vermelho (25%), com dívida média de R$ 1.500, segundo recente pesquisa do SPC Brasil e CNDL. Para sair dessa situação, é preciso diminuir gastos e mudar a forma de pensar o orçamento mensal. Esse é o conselho de Reinaldo Domingos, doutor em Educação Financeira e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros. Veja alguns pontos observados pelo espacialista:

Orçamento

Segundo a pesquisa, grande parte dos que não fazem o controle de seus gastos atribuem isto à falta de importância que dão ao controle do orçamento (33%) e falta de hábito e disciplina para fazer o controle (27%) – ou seja, a falta de educação financeira.

A maioria das pessoas faz a seguinte conta: Ganhos (-) Gastos = Lucro/Prejuízo. Para que ficar no azul, é preciso ter objetivos de vida e priorizá-los no orçamento, fazendo Ganhos (-) Sonhos (-) Gastos. Assim é possível readequar o padrão de vida para viver de forma sustentável, ajustando as despesas da casa.

Endividamento

34% dos entrevistados afirmam que morar sozinho contribuiu para que extrapolassem o orçamento alguns meses. Quase metade (49%) afirmou que isso acontece por não ter ninguém para dividir as contas. Os custos devem ser repensados, portanto tenha ciência de sua situação financeira.

Faça um bom diagnóstico financeiro para saber para onde vai cada centavo do seu dinheiro exatamente. Dessa forma pode reduzir ou eliminar gastos, não apenas para não entrar no vermelho, mas especialmente para conquistar sonhos no curto, médio e longo prazo.

Planejamento

Ainda segundo a pesquisa, a grande maioria (79%) não se planejou financeiramente para viver sozinha. Para evitar o endividamento e a dificuldade para organizar o orçamento mensal, é válido traçar um planejamento antecipado.

Preveja todos os gastos: aluguel/prestação do imóvel, energia elétrica, água, gás, internet, TV à cabo, mobília, alimentação, transporte e o custo de vida da região. É importante criar uma reserva financeira para que consiga manter estas despesas caso perca sua fonte de renda por pelo menos 12 meses.



Assessoria