Linguagem
Ação

14ª Semana Nacional do Peixe termina nesta sexta-feira (15)

Clientes de Campina Grande e João Pessoa encontram produto até 20% mais barato

Foto: Divulgação
Termina nesta sexta-feira (15) a 14ª Semana Nacional do Peixe, promovida pelo Ministério da Agricultura, Abras e Compesca, com o objetivo de incentivar uma alimentação saudável e introduzir o pescado na rotina alimentar brasileira As lojas das redes Extra e Pão de Açúcar de Campina Grande e João Pessoa apoiam a campanha e negociaram descontos especiais com seus fornecedores para reduzir seu preço de venda, beneficiando clientes com pescados em média até 20% mais baratos. Com isso, a expectativa de crescimento nas categorias de peixe fresco, congelado e bacalhau em ambas as redes é de 10%.

O Pão de Açúcar trouxe uma linha de peixes sustentáveis e selvagens do Alaska. As espécies são sustentáveis, pois seguem rígidos padrões especificados pela legislação local, que exige que os pescadores trabalhem com cotas definidas de pesca a cada temporada.  A rede oferece ainda opções como: salmão, bacalhau (in natura) e polaca. Um dos grandes diferenciais é a importação própria de bacalhau, tanto o dessalgado congelado, quanto o seco e salgado, oferecendo a melhor relação custo beneficio do mercado.

Na rede Extra, os consumidores encontram mais de 20 ofertas de peixes frescos e congelados todos os dias. Os congelados participam da dinâmica “1,2,3 da Economia”, na qual os descontos são progressivos. A rede conta, ainda, com peixes inteiros como tilápia, corvina, tambaqui de cativeiro e arenque norueguês em preços competitivos.

Consumo - Tanto a produção quanto o consumo de pescado no Brasil vem crescendo a cada ano. No caso da produção, dados do IBGE apontam que, em 2015, foram 483 mil toneladas de peixe, com incremento de 1,5% em relação a 2014. De acordo com o Ministério da Agricultura, o consumo de pescado no Brasil - de 14,4 kg por habitante/ano - já superou o recomendado pela Organização Mundial da Saúde, que é 12 kg, por habitante, a cada ano.

E projeções apontam incremento no setor. Relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), divulgado em 2016, estima que o País deve registrar crescimento de 104% na pesca e aquicultura até 2025. Segundo o estudo, o aumento na produção brasileira será o maior registrado na região.



Assessoria