Linguagem
Aniversário da cidade

Campina Grande comemora seus 153 anos de emancipação política nesta quarta-feira (11)

Um dos principais polos industriais da Região NE e tecnológicos da América Latina

Foto: Internet
A segunda maior cidade do Estado da Paraíba, Campina Grande, festeja nesta quarta-feira (11) seus 153 anos de emancipação política.  Conhecida como “A Rainha da Borborema”, a aniversariante do dia, é considerada um dos principais polos industriais da Região Nordeste bem como um dos maiores polos tecnológicos da América Latina, além de “Berço do Saber” para vários paraibanos de outras cidades e também de pessoas de outros estados e até de outros países. 

Foi fundada em 1º de dezembro de 1697, tendo sido elevada à categoria de cidade em 11 de outubro de1864, de acordo com a Lei Provincial de Nº 137. De acordo com estimativas de 2014, sua população é de 402. 912 habitantes, distribuidos em uma área que abrange 594,2 km². É também a segunda cidade mais populosa da Paraíba, possui 52 bairros e sua região metropolitana é formada por dezenove municípios. Fazem parte do município os seguintes distritos: Catolé de Boa Vista, Catolé de Zé Ferreira, São José da Mata, Santa Terezinha e Galante. 

Campina Grande ainda é um importante centro universitário, contando com dezessete universidades sendo duas delas públicas. É também proporcionalmente a cidade com o maior número de doutores do Brasil, 1 para cada 590 habitantes, seis vezes a média nacional. Além de ensino superior, o município é destaque também em centros de capacitação para o nível médio e técnico. 

Possui o segundo maior PIB, de 5,339 bilhões, entre os municípios paraibanos, representando 15,63% do total das riquezas produzidas na Paraíba. Uma evidência do desenvolvimento da cidade nos últimos tempos é o ranking da revista Você S/A, no qual ela aparece como uma das 10 melhores cidades para se trabalhar e fazer carreira do Brasil, única cidade do interior entre as capitais escolhidas no país. É ainda considerada a cidade mais dinâmica do Nordeste e a 6ª mais dinâmica do Brasil, segundo “A Gazeta Mercantil”, e foi apontada como uma das 20 metrópoles brasileiras do futuro.

Localizada a 133 km da capital João Pessoa, o município sedia ainda variados eventos culturais, destacando-se os festejos de São João, que acontecem durante todo o mês de junho, “O Maior São João do Mundo”, o Encontro da Nova Consciência, um encontro ecumênico realizado durante o carnaval, além do Festival de Inverno, dentre  outros 20 eventos. 

Urbanização

A urbanização do município tem um forte vínculo com suas atividades comerciais desde os primórdios até hoje. Primeiramente o município foi lugar de repouso para tropeiros, em seguida se formou uma feira de gado e uma grande feira geral (grande destaque no Nordeste). Posteriormente, o município deu um grande salto de desenvolvimento devido às atividades tropeiras e ao crescimento da cultura do algodão, quando Campina Grande chegou a ser a segunda maior produtora de algodão do mundo, o “Tempo do Ouro Branco”, onde nos anos 40, era a segunda exportadora de algodão do mundo, sendo o primeiro lugar Liverpool, na Grã-Bretanha.

Tech City

Atualmente, o município tem grande destaque no setor de informática e desenvolvimento de softwares, movimentando anualmente cerca de US$ 30 milhões. Os estrangeiros deram forte contribuição ao desenvolvimento local, destacando-se os árabes, alemães, italianos e dinamarqueses. Em 1967, a cidade recebe o primeiro computador de toda a Região Nordeste do Brasil, que ficou no Núcleo de Processamento de Dados da Universidade Federal da Paraíba, Campus II (hoje Universidade Federal de Campina Grande). Anos depois, virou referência em se tratando de desenvolvimento de Software e de indústrias de informática e eletrônica. A revista americana Newsweek escolheu, na edição de abril de 2001, nove cidades de destaque no mundo que representam um novo modelo de Centro Tecnológico. Ultimamente, o mais importante vínculo criado na cidade foi com o TecOut Center, em 2004, que fez aliança com a Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, que desde 1984, em sua fundação em Campina Grande, deu origem a mais de 80 empresas de tecnologia. 

Setores Produtivos

As principais atividades econômicas do município são: extração mineral; de beneficiamento e de desenvolvimento de software; comércio varejista, culturas agrícolas; pecuária; indústrias de transformação, atacadista e serviços. Sua posição privilegiada contribui para que seja um centro distribuidor e receptor de matéria-prima e mão-de-obra de vários estados. Em 2003, possuía aproximadamente 1.229 fábricas (atividade industrial), 200 casas de comércio atacadista e 3.200 unidades de comércio varejista. No setor de prestação de serviços, é um importante centro econômico, especialmente para as dezenas de cidades que fazem parte do Compartimento da Borborema. Na agricultura, destaca-se o algodão herbáceo, feijão, mandioca, milho, sisal, além de outros produtos de natureza hortifrutigranjeira que representam 6.000toneladas mensalmente comercializadas. A pecuária atua em função da bacia leiteira. Já em 1934, era inaugurada a primeira usina de pasteurização do município.

Shoppings

Campina Grande conta atualmente com seis shoppings que ajudam no aquecimento econômico da cidade, que são: Partage Shopping (antigo Boulevard Shopping Campina Grande), Shopping Luíza Motta, Shopping Cirne Center, Shopping Babilônia Center, Shopping Center Campina Grande e o Shopping Centro Edson Diniz.

Turismo e Lazer

Herdeira da cultura nordestina, Campina Grande mantém vivo o rico patrimônio representado pelas manifestações culturais e populares dessa região. A quadrilha junina, o pastoril, as danças folclóricas, o artesanato, etc., são alguns exemplos de manifestações da cultura popular que ainda encontram lugar na cidade. Historicamente, teve, e continua tendo, papel destacado como polo disseminador da arte dos mais destacados artistas arraigados na cultura popular nordestina, a exemplo dos “cantadores de viola”, “emboladores de coco”, poetas populares em geral. Eventos como “O Maior São João do Mundo", Festival de Violeiros, “Canta Nordeste”, as vaquejadas que se realizam na cidade, além de programações específicas das emissoras de rádio campinenses, contribuem fortemente para a preservação da cultura regional. Ainda é a sede do maior encontro de apologia cristã do mundo, o Encontro da Consciência Cristã, que reúne milhares de pessoas das mais diversas denominações cristãs durante o carnaval, para debater temas ligados à fé, ética e sociedade.

Áreas Verdes

A cidade possui várias áreas verdes, tais como: o Açude de Bodocongó, o Açude Velho, a Mata Florestal, o Louzeiro que se enquadra no tipo Caatinga Florestal, possuindo árvores de grande porte como Baraúnas, Malungus, Catanduvas, entre outras.

Teatros e Museus

A cidade possui oito teatros: Teatro Municipal Severino Cabral, Teatro Paulo Pontes (anexo do Municipal), Teatro Raul Prhyston, Teatro Rosil Cavalcanti, Teatro Elba Ramalho, Teatro do Hotel Garden, Teatro do Espaço Clutural SESC Centro e o Teatro Facisa. Já museus ela conta com nove, onde se guardam partes importantes de acervos culturais locais, do Estado e do Brasil. São eles: Museu Histórico e Geográfico de Campina Grande, Museu de História Natural, Museu de Artes Assis Chateaubriand, Museu Luiz Gonzaga, Museu de História e Tecnologia do Algodão, Museu Geológico da UFCG, Museu do Semiárido Nordestino da UFCG, Museu do Maior São João do Mundo e o Museu de Esporte Plínio Lemos. Além dos Centro Cultural Lourdes Ramalho, Espaço Cultural do SESC Centro, Espaço Cultural Casa Severino Cabral e o Centro de Cultura Hare Krisna.

Cinema

O Cinema chegou em Campina Grande 14 anos depois de os irmãos Lumière inventarem o cinematógrafo. Isso aconteceu com a inauguração do Cine Brazil, em 1909 no antigo prédio da instrução no bairro das Boninas. Em 1910, surgiu o Cine Popular do Sr. José Gomes. O cinema popular era frequentado por pessoas de baixa renda.

Esporte 

Atualmente em Campina Grande se destaca estadualmente no futebol, com os seus tradicionais e adversários times: o Campinense e o Treze. Segundo ranking oficial da CBF, o Treze é o melhor time da Paraíba. Campinense e Treze já se enfrentaram 387 vezes, no chamado Clássico dos Maiorais. São mais de 50 anos de jogos de pura emoção, inclusive nos seus Estádios O Amigão, Estádio Presidente Vargas e Estádio Renato Cunha Lima. 

Transporte Rodoviário

A cidade de Campina Grande possui um importante sistema rodoviário que possibilita sua interligação com as capitais, principais centros do Nordeste e demais cidades do estado e da Região. Normalmente, ela faz parte da maioria das rotas entre o interior (parte do Sertão e Agreste) e o Litoral. 

Transporte Interurbano

A cidade dispõe do Terminal Rodoviário de Passageiros - o “Argemiro de Figueiredo” - que estabelece interligação com os mais importantes centros e capitais da região e de todo o país. Para dar suporte a ônibus que fazem linhas intermunicipais de curta distância, a cidade dispõe ainda do Terminal Rodoviário “Cristiano Lauritzen”, popularmente conhecido como Rodoviária Velha.

Transporte Urbano

O sistema de transportes urbanos da cidade atende 95% da área do município e é servida pelo sistema de transporte coletivo, com uma frota de mais de 190 ônibus urbanos, em 19 linhas, agrupadas em quatro grupos: Circulares,Transversais, Radiais e Distritais. Além dos transportes coletivos, a cidade tem a disposição 586 táxis e 727 mototaxistas cadastrados.

Transporte Ferroviário

O Município é atendido pelo sistema de transporte ferroviário, que faz a interligação com várias cidades do Estado, do Litoral à Zona Sertaneja, inclusive sua capital, João Pessoa, com o Porto de Cabedelo.

Transporte Aeroviário

O sistema de transporte aeroviário de Campina Grande dispõe do Aeroporto Presidente João Suassuna - com pista de 1.600 m de extensão por 45 m de largura, operando com tráfegos regular e não regular e voos diários, interligando a cidade aos mais diversos centros e capitais do país. A cidade dispõe também do Aeroclube de Campina Grande, localizado no distrito de São José da Mata, que opera com aviões de pequeno porte, nas atividades comercial e de lazer.

Escolas Técnicas

Existem instituições de ensino profissionalizante em nível médio, tanto públicas quanto privadas, capacitando ou treinando mão-de-obra especializada em atendimento às demandas dos diversos setores econômicos. Além da atuação do SESI e Senai, há uma escola bastante tradicional, a Escola Técnica Redentorista, além do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB).

Universidades Públicas e Privadas

Possui duas universidades públicas e um instituto federal: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Campus Campina Grande; a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Particulares têm 12: Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (Facisa), Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande (FCM), Escola Superior de Aviação Civil (ESAC), Faculdade Maurício de Nassau (FMN), Centro de Educação Superior Reinaldo Ramos (Cesrei), Faculdade Anglo-Americano, Faculdade de Teologia e Filosofia da Católica (Católica), Universidade Corporativa da Indústria da Paraíba (UCIP), Instituto Campinense de Ensino Superior (ICES), União do Ensino Superior de Campina Grande (Unesc), Faculdade Paulista de Tecnologia, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), Universidade Paulista (UNIP) e Universidade Norte do Paraná (Unopar).



Redação Paraíba Total