Linguagem
Prevenção

Cuidar da saúde dos funcionários garante melhor produtividade às empresas

Pesquisa realizada pelo SESI indica relação entre os dois fatores

 Pesquisa do Serviço Social da Indústria (SESI), realizada com médias e grandes empresas, apontou que aplicação de tempo e dinheiro em segurança laboral reduziu o número de faltas em 48% delas, elevou a produtividade em 43,6% e em 34,8% houve redução de custos. O estudo também mostrou que os aspectos da área da saúde são os que também mais prejudicam a produtividade das empresas. “Doenças representam diversos problemas às organizações, que vão desde as altas despesas com custo médico até a perda de produtividade”, argumenta Luiz Monteiro, presidente da PBMA – Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM (Programa de Benefício em Medicamentos).

O comprometimento com a saúde do trabalhador e a prevenção de riscos provocam impactos positivos, tanto para a empresa como também para seus colaboradores. “Empresários e funcionários só têm a ganhar com a gestão de saúde”, garante Monteiro. Por isso que, muito difundido nos Estado Unidos, aqui no Brasil o número de empresas adeptas ao PBM vem crescendo. Telefônica, IBM, Caterpillar, Unilever, Arcelor Mital, Carrefour, Nestlé, Gerdau e Tigre estão entre as grandes companhias brasileiras que já oferecem Programas de Medicamentos aos funcionários, com subsídios que podem chegar a até 100% do valor. “Com a facilidade de acesso ao medicamento, o funcionário tem condição de cuidar melhor da sua saúde”, diz.

O PBM também permite que as empresas acompanhem se os funcionários estão seguindo corretamente ou não o tratamento prescrito pelo especialista. “Estudos demonstram que 50% dos doentes crônicos abandonam o tratamento prescrito muitas vezes pela falta de acesso ao medicamento e de incentivo para o tratamento. Com o benefício, a chance de segui-lo é muito maior”, alega Monteiro. Levantamento da PBMA indica que no ano passado o programa foi responsável pela dispensação de mais de 110 milhões de unidades (caixas) de medicamentos em todo o país. Para este ano, a expectativa da associação é alcançar um crescimento de aproximadamente 15%.