Linguagem
Sebrae

Recursos humanos, vendas fracas e capital de giro baixo são principais dores dos empresários

Pesquisa mostra principais dúvidas e problemas de quem tem o próprio empreendimento

Onde encontrar mão de obra qualificada? Como manter a motivação da equipe? Como definir a melhor estratégia de marketing para o meu negócio? Como aumentar o volume de vendas? Como se adequar às novas tecnologias da informação? Essas e outras dúvidas rondam o pensamento de donos de pequenos negócios em todo o país, segundo a pesquisa “Dores dos empresários”, realizada pelo Sebrae Nacional. Na Paraíba, analista da instituição recomenda consultoria como forma de buscar soluções no cotidiano empresarial.

A pesquisa também aponta taxa de juros e carga tributária alta como “dores” de quem tem o próprio negócio no país. Em relação aos recursos humanos, as dúvidas vão desde a seleção e recrutamento de funcionários, passam por motivação e comprometimento da equipe, estabelecimento de metas e bonificações e chegam até relacionamento interpessoal e dependência do funcionário. Além disso, o novo perfil de profissional e o pagamento de impostos trabalhistas também foram apontados como questões problemáticas em termos de manutenção dos negócios.

Já em relação às vendas, as grandes queixas foram baixo volume de vendas, ofertas de descontos e sazonalidade. Para além disso, mesmo quando as vendas são boas, os empresários se sentem em dúvida quanto ao valor agregado nas vendas e concretização e prospecção de vendas. A inadimplência dos clientes é outro fator indicado pelos empresários como problemática, mas que prejudica principalmente a relação com os clientes. 

A carga tributária, considerada alta, é um dos principais problemas apontados pelos empresários, especialmente porque dificulta o pagamento dos impostos e, por desconhecerem os tributos incidentes sobre os produtos e serviços que ofertam, não conseguem fazer a precificação correta. 

Concorrência e tecnologia também afetam

A falta de regras na legislação em relação à concorrência, a venda de produtos falsificados, preços muito baixos e a venda de produtos online também foram apontados como dores dos empresários no país. Ainda, as dificuldades com as novas tecnologias, tanto em processos internos quanto em termos de marketing, também se configuram como questões complicadas para os empresários. De acordo com a economista e gerente estratégica do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, a instituição oferece diagnóstico empresarial a quem já tem o próprio negócio.

“O empresário e o empreendedor podem se beneficiar com uma série de informações relevantes e através de ações dos vários projetos voltados para implantação, melhoria e crescimento dos pequenos negócios. São os Diagnósticos Empresariais, que mostram os pontos fortes e fracos da empresa gerando soluções e melhorias tanto para gestão administrativa, quanto para fiscal e tributária. Interessante ressaltar que todo atendimento do Sebrae requer um investimento mínimo, pois a instituição subsidia em até 60% as consultorias que venham a ser necessários as empresas atendidas”, comentou.




Assessoria