Linguagem
Análise

Consumidor anseia por novos serviços nos supermercados, diz pesquisa

O hábito de consumo precisa estar acompanhado de experiências positivas

Foto: internet
Os supermercados de São Paulo precisam entender que hoje vivemos em um mundo onde o hábito de consumo precisa estar acompanhado de experiências positivas no ponto de venda. Este é o resultado da pesquisa “Tendências do Consumidor em Supermercados 2018/2019”, feita pela APAS (Associação Paulista de Supermercado) em parceria com o Ibope Inteligência.

Isto significa que o período onde o preço era determinante para o sucesso da operação ficou para trás. De acordo com a pesquisa, hoje, a qualidade e o sortimento de itens de uma loja representam 69% dos principais pontos explorados pelo consumidor. Além disso, a localização dos supermercados é outro fator determinante para a escolha da loja na hora da compra.

Por outro lado, para 50% dos entrevistados os supermercados de vizinhança ainda continuam sendo os principais canais para as compras emergenciais, contra supermercados e hipermercados, que ficaram com 36%. Já para os consumidores que fazem compras do mês, 58% preferem os supermercados.

Desse total, 78% consideram preço, 76% optam por causa da qualidade e variedade de produtos e 52% disseram que preferem os supermercados para fazer compras de mês por conta da sua localização.

E-commerce supermercadista

Segundo o estudo da APAS, os supermercados já perceberam a importância das vendas pela internet e hoje percebe a expansão desse mercado com a procura cada vez maior dos consumidores pelas plataformas digitais das empresas do varejo. De acordo com a pesquisa, 15% dos brasileiros já fazem compras em sites de supermercados, principalmente pessoas da classe A, que chega a 19%.

Os itens mais comercializados pelas plataformas de e-commerce são produtos de higiene pessoal e beleza, com 57%, seguido por objetos de decoração e utilidades, com 50%. Na sequência aparece também materiais de limpeza como outro item comum nas cestas e carrinhos de compras virtuais, presente em 46% deles.

Além de usar os sites das redes para fazer compras, os consumidores que responderam a pesquisa também disseram usar a internet para comparar os preços dos produtos (57%), enquanto 49% sempre encontra o que procura nas plataformas online. Em contrapartida, 57% dos participantes não compram pela internet porque preferem ver e escolher os produtos pessoalmente.

Outro fator que desestimula 51% dos entrevistados a comprar pela internet é o valor cobrado pelo frete. Outros 45% disseram que a desconfiança é outro fator decisivo para não fazerem compras online.

Futuro do PDV

A pesquisa da APAS ainda revela que 39% dos consumidores preferem o serviço de autoatendimento nas lojas e 21% querem pagar suas compras com o celular ou outros meios. Para 18%, outra opção levada em consideração é a opção de comprar pela internet e retirar na loja.

Das inovações implementadas nos supermercados, 35% dos supermercadistas optaram por novos sistemas de caixas e estoques, além de redes sociais, vendas online, autoatendimento e aplicativos de celular, este último adotado por 7% dos entrevistados.




Newtrade