Linguagem
Premiação

Filmes vitoriosos do 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro serão conhecidos nesta quarta-feira (4)

Solenidade de encerramento será à noite, no Cinépolis Manaíra Shopping

Foto: divulgacao
Esta quarta-feira (4) será o tão esperado dia dos cineastas e produtores dos curtas e longas-metragens que concorreram no 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro: o dia da divulgação e premiação dos grandes vencedores desta edição. Antes desse momento culminante, porém, a quarta será de debates, sessões especiais, oficina, lançamentos e homenagens. O festival é chancelado pela UFPB e tem o patrocínio do Grupo Energisa, Cagepa e Armazém Paraíba, via Lei Federal de Incentivos do Ministério da Cidadania.

O último dia de atividades diversas do Fest Aruanda começa logo pela manhã, tanto no Hotel Aram Beach & Convention, onde estão acontecendo os debates sobre os curtas e longas de cada dia, e no Cinépolis Manaíra Shopping, onde ocorrem as exibições de filmes e lançamentos de publicações. No hotel, os Diálogos Audiovisuais Aruanda começam às 9h, com interações entre público e cineastas, debate entre o ator Flávio Bauraqui e o cineasta João Batista de Andrade, painel com Luísa Lusvarghi, Ana Bárbara Ramos, Patrícia de Aquino, Vânia Perazzo, Ana Isaura, Cristiane Fragoso e Virgínia de Oliveira Silva.

No Cinépolis, a programação tem início às 10h, com a segunda sessão do Aruanda Especial Acessibilidade, também às 10h. Desta vez, o filme será “Clara estrela” (2018), de Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir, documentário que narra, por meio de entrevistas em diversos programas de TV e rádio, a trajetória da cantora Clara Nunes. A partir das 14h, na Sessão Vespertina, teremos a Mostra Paraíba Feminina! Mulheres com câmera na mão!, com os curtas “Rasga-Mortalha” (2011), de Patrícia Aquino; “Adiós, Jampa vieja!” (2013), de Virgínia de Oliveira Silva; “Oferenda” (2011), de Ana Bárbara Ramos; “O Reino de Deus” (1994), de Vânia Perazzo; “O Caçador de Miragens: Flávio Tavares” (2002), de Elisa Cabral; e “Odò Pupa, lugar de resistência” (2018), de Carine Fiúza.

Ainda neste dia, haverá o lançamento da plaquete “Linduarte Noronha, ícone da radiofonia paraibana”, pela Editora União, com organização de Naná Garcez, a partir de uma entrevista com o professor Lúcio Vilar, diretor executivo e coordenador do Fest Aruanda. Depois, em uma solenidade de homenagens, o Troféu Aruanda será entregue a duas personalidades: a primeira, Mônica Botelho, pela Contribuição à Produção Cultural na Paraíba (ela será representada pela filha, Clara Botelho); e a segunda, o mestre Sivuca (in memoriam), pela Criação de Trilhas Sonoras para Filmes Brasileiros (Glorinha Gadelha, sua viúva, receberá o troféu). Também será lançado um compacto do documentário “Linduarte Noronha: havia um microfone antes das câmeras”.

Por fim, antes da solenidade de premiação, será exibido o filme de encerramento do festival: “O Barato de Iacanga” (2019), um documentário de Thiago Mattar (SP) sobre o mais lendário festival ao ar livre da música brasileira: o Festival de Águas Claras, conhecido como o “Woodstock brasileiro”. Depois dessa exibição, público e participantes conhecerão os vitoriosos do festival.

Último encontro – O 14º Fest Aruanda terá ainda uma manhã de debates, no Hotel Aram, a partir das 10h. Haverá uma mesa sobre o filme de encerramento, com a participação de Glorinha Gadelha (compositora), Thiago Mattar (cineasta e realizador desse filme), Jotabê Medeiros (crítico musical/Carta Capital) e Silvio Osias (jornalista/CBN/Jornal da Paraíba/João Pessoa/PB), com a moderação de Maria do Rosário Caetano. Nesta edição, o Fest Aruanda festejou o centenário do cinema paraibano, cujo marco são as primeiras atividades cinematográficas realizadas na Paraíba, em 1919, pelo cineasta Walfredo Rodriguez.

Serviço

14° Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro

Encerramento e premiações

Cinépolis Manaíra Shopping (Sala 9), dia 4, a partir das 10h

Debates

Hotel Aram Beach & Convention, dia 5, a partir das 9h