Linguagem
Premiação

Fest Aruanda consagra o cinema paraibano e coroa a sétima arte como polo de resistência

Pluralidade de gêneros e diversidade temática, estética e geográfica conduziram a 14ª edição do evento

Foto: divulgacao
A produção cinematográfica da Paraíba foi a grande vencedora do 14º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro, com prêmios de melhor longa para “Desvio”, de Arthur Lins, e de melhor curta-metragem para “Quitéria”, de Tiago A. Neves. Os dois filmes foram os ganhadores das mostras mais concorridas do festival: a Mostra Nacional Competitiva de Curtas e Longas-metragens e a Mostra Sob o Céu Nordestino, respectivamente. Além dos dois principais prêmios, a Paraíba levou outros 19, com obras diversas e em diferentes categorias – o que mostra que a “primavera do cinema paraibano” continua dando flores. A premiação aconteceu na noite dessa quinta-feira (4), em solenidade no Cinépolis Manaíra Shopping.

“Desvio” levou ainda os prêmios de melhor direção, melhor ator, melhor roteiro, melhor direção de arte, melhor trilha sonora e Prêmio do Júri Popular. Já “Quitéria”, além do prêmio principal, levou o de melhor atriz. Outros filmes paraibanos com mais de um prêmio foram o curta de ficção “Faixa de Gaza”, de Lúcio César Fernandes, que ganhou melhor direção, som, ator e Prêmio Júri Abraccine de melhor curta; o documentário “Brasil, Cuba”, de Bertrand Lira, com dois prêmios de fotografia (pela mostra Sob o Céu Nordestino e pela Mostra Nacional Competitiva de Curtas-metragens); e o longa documental “Jackson – Na batida do pandeiro”, de Marcus Vilar e Cacá Teixeira, que ganhou melhor personagem masculino e o Prêmio Especial do Júri.

Prêmios importantes do festival também foram concedidos a “Soldados da borracha”, de Wolney Oliveira, que foi o melhor longa da mostra Sob o Céu Nordestino e do Júri Popular, além de receber prêmios de som, trilha sonora e montagem; “Currais”, de David Aguiar e Sabina Colares, com prêmios de direção, fotografia, direção de arte e atriz (a paraibana Zezita Matos); “Indianara”, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa, que recebeu o Prêmio Júri Abraccine de melhor longa, melhor figurino e Menção Honrosa a Indianare Siqueira; o curta “Apenas o que você precisa saber de mim”, de Maria Augusta Nunes, com melhor direção, figurino, atriz e melhor curta da Mostra Competitiva Nacional de Curtas e Longas-metragens; e “Pacificado”, com fotografia, ator, atriz e Menção Honrosa à atriz Lea Garcia.

Resistir – A solenidade de encerramento do Fest Aruanda contou com agradecimentos por parte de Mônica Nóbrega, diretora do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA-UFPB), que falou da alegria e do orgulho da universidade pela parceria com o festival, e de Ricardo Charbel, diretor da Energisa na Paraíba (patrocinadora master do evento). “Além de democratizar o acesso ao cinema, devemos democratizar a sua produção”, disse.

O diretor de mídia impressa da Empresa Paraibana de Comunicação (EPC), William Costa, ao lançar a plaquete “Linduarte Noronha, ícone da radiofonia paraibana”, reverberou o sentimento geral do evento: “O Fest Aruanda é um marco de resistência, não só do cinema, mas da cultura brasileira.” A mesma indignação diante do tratamento que a arte tem recebido por parte do Governo Federal estava em uma nota de repúdio da organização do Fest Aruanda contra o desmantelamento da Ancine e a asfixia do setor cultural.

Homenagens e contracultura – A noite de encerramento do festival também contou com duas homenagens: uma a Mônica Botelho, idealizadora e diretora-geral do Cineport – que não estava presente no evento, mas recebeu o Troféu Aruanda de Contribuição à Produção Cultural na Paraíba pelas mãos da filha, Clara Botelho – e outra ao mestre Sivuca (in memoriam), pela Criação de Trilhas Sonoras para Filmes Brasileiros – Glorinha Gadelha, sua viúva, recebeu o troféu. “A música dava sentido à vida de Sivuca, um homem de espírito plural e de grande dimensão humana”, disse ela.

Por fim, antes da solenidade de premiação, foi exibido o filme de encerramento do festival: “O Barato de Iacanga” (2019), um documentário de Thiago Mattar (SP) sobre o mais lendário festival ao ar livre da música brasileira: o Festival de Águas Claras, que fez sucesso entre as décadas de 1970 e 1980 e ficou conhecido como o “Woodstock do Brasil”. O longa, que une entrevistas com artistas e fundadores do evento a imagens de shows históricos e seus bastidores, relembra a trajetória que tornou o festival um símbolo da contracultura no país.

Vencedores

Mostra Competitiva Nacional de Curtas e Longas-metragens – júri formado pelo jornalista e escritor Fernando Morais, o ator Marco Ricca e a atriz Suzy Lopes.

Curtas:


  • Som – Felipe Grytz, por “Gravidade”





  •  
  • Edição – Daniel Kfouri e Diógenes Moura, por “Um”





  •  
  • Figurino – “Apenas o que você precisa saber de mim”





  •  
  • Roteiro – Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa, por “O grande amor de um lobo”





  •  
  • Fotografia – Arturo de la Garza, por “Brasil, Cuba”





  •  
  • Direção de arte – Daniel Kfouri, por “Um”





  •  
  • Trilha sonora – “Nadir”





  •  
  • Atriz – Alice Doro, por “Apenas o que você precisa saber de mim”





  •  
  • Ator – Jean Claude Bernardet





  •  
  • Direção – Maria Augusta Nunes, por “Apenas o que você precisa saber de mim”





  •  
  • Melhor curta júri popular – “O grande amor de um lobo”, de  Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa





  •  
  • Melhor curta – “Apenas o que você precisa saber de mim”






  •  




     

    Longas:


    • Som – Vasco Pimentel, por “Partida”, de Caco Ciocler





    •  
    • Edição – Tiago Marinho, por “Partida”, de Caco Ciocler





    •  
    • Figurino - “Indianara”





    •  
    • Roteiro – Arthur Lins, por “Desvio”





    •  
    • Fotografia – Laura Merians, por “Pacificado”, de Paxton Winters





    •  
    • Direção de arte – Shiko, por “Desvio”





    •  
    • Trilha sonora – Vitor Colares, por “Desvio”





    •  
    • Melhor atriz ou personagem retratada – Georgette Fadel, por “Partida”, e Débora Nascimento, por “Pacificado”





    •  
    • Menção Honrosa – Lea Garcia, por “Pacificado”





    •  
    • Ator – Daniel Porpino, por “Desvio”, e Bukassa Kabengele, por “Pacificado”





    •  
    • Direção – Arthur Lins, por “Desvio”





    •  
    • Melhor longa Júri Popular – “Desvio”, de Arthur Lins





    •  
    • Melhor longa – “Desvio”, de Arthur Lins





    •  
    • Prêmio Especial do Júri – “Partida”, de Caco Ciocler





    •  
    • Menções Honrosas – “Barretão”, de Marcelo Santiago, e Indianare Siqueira






    •  




       

      Mostra Sob o Céu Nordestino – júri formado pelos cineastas Emília Silveira e João Batista de Andrade e pelo professor universitário Fernando Trevas.

      Curtas:


      • Som – Diogo Rocha, por “Faixa de Gaza”





      •  
      • Montagem – Kennel Rogis, por “O grande amor de um lobo”





      •  
      • Roteiro (dois prêmios) – Ana Dinniz, por “Fim”, e Mailsa Passos, Rita Ribes e Virgínia Oliveira, por “Costureiras”





      •  
      • Fotografia – Arturo De la Garza, por “Brasil, Cuba”





      •  
      • Ator ou Personagem Masculino – Paulo Phillipe, por “Faixa de Gaza”





      •  
      • Atriz ou Personagem Feminino – Arly Arnaud, por “Quitéria”





      •  
      • Direção – Lúcio César Fernandes, por “Faixa de Gaza”





      •  
      • Melhor curta – “Quitéria”, de Tiago Neves





      •  
      • Melhor curta pelo júri popular – “O grande amor de um lobo”, de Kennel Rógis e Adrianderson Barbosa






      •  




         

        Longas:


        • Som – José Loureiro, Fernando Cavalcante e Lênio Oliveira, por “Soldados da borracha”





        •  
        • Montagem – Mair Tavares e Leyda Nápoles, por “Soldados da b orracha”





        •  
        • Roteiro – Vânia Perazzo Barbosa Hlebarova, por “O que os olhos não veem”





        •  
        • Fotografia – Petrus Cariry, por “Currais”





        •  
        • Direção de Arte – Carolinne Vieira, Sabina Colares e Thaís de Campos, por “Currais”





        •  
        • Trilha Sonora – DJ Dolores, por “Soldados da Borracha”





        •  
        • Atriz ou Personagem Feminino – Zezita Mattos, por “Currais”





        •  
        • Ator ou Personagem Masculino – Jackson do Pandeiro, por “Jackson, na Batida do Pandeiro”





        •  
        • Direção – Sabina Collares e David Aguiar, por”Currais”





        •  
        • Melhor longa – “Soldados da borracha”, de Wolney Oliveira





        •  
        • Melhor longa Júri popular – “Soldados da borracha”, de Wolney Oliveira





        •  
        • Prêmio Especial do Júri –  “Jackson – Na batida do pandeiro”, de Marcus Vilar e Cacá Teixeira






        •  




           

          Prêmio Júri Abraccine – júri da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) foi composto por Luiza Lusvarghi, Flávia Mayer e João Batista de Brito.


          • Melhor Curta – “Faixa de Gaza”, Lúcio César Fernandes





          •  
          • Melhor Longa-metragem – “Indianara”, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa






          •