Linguagem
Destaque

Na Semana Nacional do Controle da Asma, especialista orienta como cuidar da saúde para prevenir sintomas

Sebastião Costa, pneumologista cooperado da Unimed JP, detalha primeiros efeitos no sistema respiratório

Foto: divulgação
A asma, uma doença pulmonar crônica, não tem cura, mas pode ser controlada ao seguir as recomendações médicas e as etapas do tratamento, que busca a melhora da qualidade de vida por meio do controle dos sintomas e da estabilização da função pulmonar. Com a missão de alertar a população sobre os cuidados para conviver com a doença e a importância do tratamento, no dia 21 de junho celebra-se o Dia Nacional do Combate à Asma.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) do Ministério da Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 6,4 milhões de brasileiros acima de 18 anos sofrem com os efeitos da doença. De acordo com o pneumologista Sebastião Costa, médico cooperado da Unimed João Pessoa, a aceitação do paciente ao tratamento é fundamental. “As pessoas que têm asma persistente precisam colocar em prática toda recomendação do médico e seguir o tratamento corretamente todos os dias. A maior parte dos pacientes inicia a medicação e, quando  apresentam melhoras, pausam o tratamento* e os sintomas voltam. O sucesso tem a ver com a adesão do paciente. Apenas 9% têm a asma totalmente controlada, porque tem que seguir as orientações”, reforça.

O especialista afirma que 80% dos casos são alérgicos e associados ao ambiente doméstico. “Por isso, há a necessidade de aderir ao tratamento e manter cuidados, principalmente em casa”, afirma Sebastião. “No quarto, existem ácaros e fungos no travesseiro, na madeira, em guarda-roupa e ar-condicionado, além de ventiladores que levantam a poeira”, detalha o profissional, que alerta para a rinite alérgica associada. “A cada dez pessoas com asma, oito tem também rinite alérgica, o que torna imprescindível o cuidado com esses ambientes internos”, orienta.

De acordo com o pneumologista, há vários tipos de asma. “A persistente é a que está sempre aparecendo no dia-a-dia com sintomas como tosse, chiado no peito e cansaço característico, além de secreção clara e opressão torácica”, explica. “Já a asma intermitente acontece mais quando o paciente se expõe, que é o caso de fumaça de fogueiras e a poeira, por exemplo. Ainda há a tosse variante de asma, que ocorre com mais freqüência em crianças quando há esforço físico, mas sem sintomas de cansaço”, detalha Sebastião.

A chegada do inverno é o momento em que o asmático mais sofre no ano, conta o médico. “A variação da temperatura, luminosidade e a tendência das pessoas a ficarem mais dentro de casa, aumentam as crises. Além disso, na região nordeste, existe a tradição das fogueiras juninas, que prejudicam os asmáticos com a fumaça”, comenta. “O quarto de dormir é o refúgio dos alérgicos, sendo assim, é preciso ter cuidado redobrado com ácaros, fungos e a poeira doméstica”, alerta Sebastião, que também recomenda que as janelas sejam abertas para iluminar e arejar o quarto.

Tratamento eficaz - No caso da asma persistente, o tratamento é contínuo com uso de duas substâncias - um broncodilatador, para abrir os brônquios, e corticoide, que é anti-inflamatório. “A inflamação e o broncoespasmo são os dois fatos que determinam o cansaço. Ainda é feito um teste alérgico para identificar alergias e o IgE específico para tipos de ácaros que determina o diagnóstico”, explica. Ainda como parte do tratamento, o pneumologista recomenda fisioterapia respiratória e exercícios leves, como caminhadas.

Relação com a covid-19 – Um dos efeitos do novo coronavírus é um processo inflamatório no pulmão e broncoespasmo. De acordo com os órgãos de saúde, os asmáticos não estão incluídos nos grupos de risco, mas a orientação do especialista é evitar a exposição. “Metade das pessoas têm cansaço no pós-covid com esforço e, às vezes, sem esforço, devido ao resíduo da inflamação no broncoespasmo. *Em tempos de pandemia, quem tiver asma e puder, fique em casa”, recomenda.



Assessoria