Março Azul: mês de conscientização do câncer do colorretal

foto: Marcelo Casal Jr

O carcinoma colorretal (CCR) ou câncer de intestino tem merecido destaque no cenário nacional e internacional por suas elevadas taxas de incidência, prevalência e morbimortalidade. Fatores como aumento da expectativa de vida, e envelhecimento populacional, tem contribuído para sua elevada prevalência, muito embora tenha sido observada aumento de incidência em faixas etárias mais jovens.

No Brasil, as estimativas do INCA apontam, para cada ano do triênio de 2020-2022, 20.540 casos de câncer de cólon e reto em homens e 20.470 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 19,64 casos novos a cada 100 mil homens e 19,03 para cada 100 mil mulheres. Isso torna essa neoplasia o segundo tipo de câncer mais frequente em mulheres e homens, excluindo-se os casos de tumores de pele. Até o ano de 2025, estima-se a elevação nas taxas de mortalidade relacionadas ao CCR, em especial em decorrência da maior expectativa de vida e ao processo de envelhecimento da população. Assim, para aumentar as chances de cura e de sobrevida são fundamentais o diagnóstico e o tratamento precoces.

Os efeitos da pandemia atual poderão refletir no retardo do diagnóstico e tratamento precoce, com sérias repercussões para a população. Embora sensíveis e engajados a buscar soluções para a atual situação de pandemia de COVID-19 no País e no mundo, especialmente por meio do incentivo à vacinação em massa, os médicos alertam a população e os profissionais de saúde para algo igualmente desafiador neste momento: dar visibilidade à necessidade de cuidados e prevenção a outras doenças, como o CCR, e, assim, evitar que a falta de tratamento agrave ainda mais a saúde dos brasileiros, inclusive com aumento de mortes evitáveis.

Atualmente, cerca de 85% dos casos de CCR são diagnosticados em fase avançada, o que acarreta maiores custos com procedimentos (cirurgia, quimioterapia, radioterapia) e diminui as chances de cura para um dos tumores malignos mais frequentes e fatais.

Diante dessa realidade que exige medidas urgentes por parte dos cidadãos, dos médicos e das autoridades sanitárias, recomenda-se um conjunto de ações para serem implementadas – nos setores público e privado –, que podem contribuir com a proteção e a defesa do bem-estar, da saúde e da vida dos brasileiros.

1. Estímulo à promoção de hábitos saudáveis, com orientação aos brasileiros sobre a importância de se combater o tabagismo, alcoolismo, obesidade, sedentarismo, consumo excessivo de carnes vermelhas e dieta pobre em fibras, que são fatores de risco relevantes para o CCR;

2. Realização de uma ampla campanha dos setores público e privado sobre o CCR com foco nas ações preventivas, na divulgação dos direitos assistenciais dos pacientes e em alertas sobre o adequado encaminhamento dos pacientes para serviços especializados.

3. Implementação de programas que facilitem o diagnóstico precoce do câncer colorretal (CCR) por meio de exames específicos, como a pesquisa de sangue oculto nas fezes, a colonoscopia e a eventual retirada por endoscopia de lesões pré-malignas;

4. Fortalecimento da rede de atenção aos pacientes com doenças crônicas, permitindo àqueles com diagnóstico de CCR acesso a leitos, equipamentos, exames, medicamentos, insumos e profissionais qualificados para atendê-los em suas necessidades;

As Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (Sobed) e entidades signatárias, unidas em força-tarefa, alertam a população brasileira, profissionais da saúde, gestores públicos e tomadores de decisão sobre os riscos relacionados a essa doença e a necessidade de se facilitar o acesso ao seu diagnóstico e tratamento precoces e solicitam ao Congresso Nacional e ao Governo Federal que estabeleçam em março como o mês de conscientização da importância da prevenção do câncer colorretal, vinculando a ele a cor azul marinho.

Pela articulação dessas iniciativas, espera-se contribuir com a prevenção e enfrentamento do CCR, oferecendo à população mecanismos que valorizem seu bem-estar, saúde e vida. #AbraceEstaIdeia #MarçoAzul


Monica Souza de Miranda Henriques | CRM-PB: 5844 | Gastroenterologia