Please assign a menu to the primary menu location under menu

Instituto C&A e pretahub lançam edital focado em moda para empreendedores negros, indígenas e afroindígenas

O Instituto C&A, braço social da C&A Brasil, e a pretahub, hub de criatividade, inventividade e tendências pretas responsável pela Feira Preta, se unem para lançar a 2ª edição do Afrolab Moda – programa voltado para apoiar e impulsionar as potências empreendedoras negras e indígenas da moda – que, agora, ganha o nome Afrolab Moda by Instituto C&A. O edital irá selecionar 20 empreendedores que, ao longo de cinco meses, passarão por um intenso processo online de desenvolvimento, capacitação e aprendizagem. As inscrições serão abertas no dia 22 de julho e vão até o dia 3 de agosto por meio de preenchimento de formulário disponível em: Aqui

Com uma metodologia multiplataforma, o programa Afrolab Moda by Instituto C&A será dividido em duas fases. Os selecionados também terão as suas marcas nos canais de venda da Feira Preta.

A primeira fase, que acontece nos meses de julho e agosto, consiste em uma imersão de sete dias em que serão ofertados conteúdos exclusivos relacionados à autoconhecimento, criatividade, negócios, prototipagem e planificação. Além disso, o programa vai oferecer um módulo sobre Marketing Digital em que os participantes terão a oportunidade de aprimorarem seus conhecimentos em ferramentas como Google Classroom, Zoom, LinkedIn, WhatsApp Business, Market Up, Facebook e Instagram Ads.

Esta fase também contará com a participação de convidados especiais. Os convidados especiais da primeira edição incluíram a estilista e empreendedora, Day Molina, a ativista e mestre em Ciências da Educação pela Universidad de Monterrey (México), Danielle Almeida, a educadora Haynará Negreiros, o CEO da marca Dendezeiro, Hisan Silva, e o estilista Isaac Silva, além de especialistas de empresas, como Mercado Livre e Facebook. A CEO da Pretahub e fundadora da Feira Preta, Adriana Barbosa, a produtora e gestora de projetos culturais, Vera Santana, e a atriz, educadora e produtora cultural, Rosana Serra, serão as facilitadoras que acompanharão toda a jornada dos participantes.

“O Instituto C&A entende que o empreendedorismo é uma dentre as muitas possibilidades exploradas por profissionais negros, indígenas e afroindígenas e, por isso nos preocupamos com o desenvolvimento destes profissionais. Sobretudo porque sabemos que a inclusão produtiva para este público é mais desafiadora. O Afrolab Moda by Instituto C&A é a nossa contribuição para tornar negócios de moda afro e indígenas mais resilientes, somando na sua estruturação, adaptação à nova realidade do consumo e geração de renda”, diz Gustavo Narciso, Gerente Executivo do Instituto C&A.

Após a etapa imersiva, as marcas trabalharão na criação do Catálogo Afrolab Moda by Instituto C&A entre agosto e setembro, além de participar de atividades com associados voluntários da C&A Brasil.

“Toda a jornada dos participantes foi inspirada nas dores e delícias dos 20 anos da Feira Preta, em que vivenciamos e compreendemos de perto as realidades e demandas dos mais de mil empreendedores e empreendedoras que já passaram pelo Afrolab”, explica Adriana Barbosa. “O Afrolab é uma resposta que se debruçou cuidadosamente sobre as especificidades dos negócios negros e indígenas e para trazer ferramentas práticas, inspirações e espaço de criação e produção efetiva”, completa.

O edital é voltado para pessoas negras, indígenas e afroindígenas com idades entre 18 e 80 anos, que já possuem um empreendimento de design de roupas, calçados ou acessórios e vivência com o mundo da moda brasileira. Os interessados devem ter conhecimentos técnicos em produção de coleções, ter proximidade com a temática e fazer parte de regiões descentralizadas do Brasil. É necessário ainda ter acesso a internet e a um dispositivo móvel como um laptop, smartphone ou tablet.

Garimpo da Preta no e-commerce da C&A Brasil

Além do programa, o Instituto C&A e a pretahub se unem para expandir o projeto piloto Minha C&A – iniciativa da C&A Brasil em que clientes se tornam consultoras e proprietárias de uma lojinha online hospedada no e-commerce da marca, recebendo uma comissão pelas vendas realizadas. A partir de agora, a Minha C&A passa a contar com consultoras do Garimpo da Preta, projeto do Instituto Feira Preta que capacita afroempreendedores da moda para que construam uma seleção de roupas sustentável por meio de uma curadoria, oferecendo, portanto, mais uma alternativa para geração de renda, autonomia financeira e empoderamento de mulheres negras por meio do empreendedorismo.

A Minha C&A foi lançada em 2020 em linha com a estratégia customer centric da C&A Brasil, que coloca o cliente no centro de tudo. Hoje, o projeto soma mais de 5 mil consultoras com autonomia para personalizar o seu espaço de revenda, realizar curadoria dos produtos preferidos, montar looks e divulga-los em suas redes sociais com linguagem mais próxima da cliente – recebendo comissão por venda realizada.