Linguagem
Digital

Negócios 100% online decolam durante a pandemia

Marcas com e-commerce próprio cresceram em até quatro vezes no período de isolamento

Foto: Pixabay
A 6ª edição da pesquisa Perfil do E-Commerce Brasileiro aponta que o país bateu um importante recorde em 2020, totalizando mais de 1,3 milhão de lojas online, com um ritmo de crescimento de 40,7% ao ano. O dado é um reflexo da pandemia de Covid-19 e da necessidade de digitalização das empresas, com a migração em massa de pequenos e médios negócios para o comércio eletrônico impressiona.

Marcas que mesmo antes do cenário da pandemia já funcionavam de maneira 100% online viram os números de vendas decolarem, como é o caso da plataforma digital de serviços e compra de vinhos Eniwine. Enquanto diversos setores de bebidas no Brasil têm sofrido queda, o mercado de vinhos segue aquecido e foi impulsionado durante a pandemia. Segundo pesquisa realizada pela Ideal Consulting, a importação de vinho nos primeiros cinco meses do ano de 2020 no Brasil aumentou 5% em volume, somando 43 milhões de litros.

Marcelo Albrileri, CEO da Eniwine observou o aumento dos pedidos: "Nosso catálogo é completo, oferece rótulos do mundo todo e com diversas faixas de preço. Nosso trabalho sempre foi facilitar o acesso a vinhos de qualidade de forma prática e personalizada. Já estávamos observando um crescimento considerável nas vendas. O aumento de 20% faz parte deste processo, que já vinha acontecendo", ressalta Albrileri.

A multiplataforma, voltada para compra e venda de rótulos de garrafas vinho de produtores nacionais e internacionais, inovou com o Eniwine Rewards, um clube de recompensas para todos os apreciadores de vinho. A plataforma foi lançada durante um jantar para convidados e imprensa no restaurante Barolo Trattoria, nos Jardins, em São Paulo. 

Outro case de sucesso durante a pandemia é o da startup Insider Store. A marca investe na produção e comercialização de peças em tecidos com tecnologia anti suor, anti odor e com regulação térmica. Por estar 100% no ambiente digital, com roupas confortáveis para usar em casa e antivirais, pra quem precisar sair dela, a empresa cresceu quatro vezes de 2019 para 2020, chegando a R$ 30 milhões de faturamento este ano, com previsão de alcançar a marca de R$ 60 milhões em 2021. "Nosso objetivo é ser a marca digital referência em tecnologia e desenvolvimento de produtos têxteis", afirma Yuri Gricheno, um dos fundadores da Insider.

A empresa foi a primeira a lançar peças antivirais no Brasil. As máscaras e camisetas são feitas com um tecido impregnado de nanopartículas de prata, que desativam 99,9% de vírus e bactérias em até 5 minutos. Os produtos foram certificados com essa eficácia após testes realizados pelo laboratório de virologia da Unicamp e outros privados, seguindo a norma ISO 18184. Além disso, as máscaras, principalmente, ganharam força no mercado pela ação antiacne, que se tornou reclamação constante daqueles que usavam máscaras de tecidos normais. 

"Na Insider trabalhamos com dois pilares fundamentais: tecnologia têxtil e design funcional. Chegamos aos diferenciais mais importantes de cada produto por meio da metodologia do design thinking, em que entrevistamos grupos de pessoas para entendermos insatisfações em relação às soluções atuais do mercado, prototipamos um produto a partir disso, testamos e, com o feedback, os aprimoramos ainda antes do lançamento", Carolina Matsuse, sócia da Insider. 




assessoria